Matas ciliares e sua necessidade para conservar os recursos hídricos


Você sabia que a floresta desempenha um papel fundamental na produção e proteção da água? A cobertura vegetal encontrada próxima aos rios, córregos, nascentes, lagos e represas é chamada, tecnicamente, de Mata Ciliar, ela recebe esse nome por lembrar os cílios dos olhos e assim como ele, por ter a função de proteger contra impurezas.

 

Em um local onde há presença de floresta, o solo fica protegido, evitando processos como erosão e assoreamento de rios.  Esse é um dos serviços ambientais (ou serviços ecossistêmicos) que a natureza nos oferece, gratuitamente.
Com o terreno exposto, acontece o “descolamento” de camadas superiores do solo até o interior de rios e córregos, o que compromete a qualidade da água e a capacidade de armazenamento dos reservatórios. Assim, além do assoreamento, o solo não consegue absorver a água da chuva nos lençóis freáticos. Isso sem contar no aumento do esforço em torno do tratamento da água antes de chegar até as residências.

 

Benefícios garantidos pelas matas ciliares

  • Filtragem de resíduos evitando a poluição dos cursos d’água;
  • Proteção contra o assoreamento de rios e córregos;
  • Conservação do solo;
  • Equilíbrio do clima;
  • Melhoria da qualidade do ar, água e solo.

 

 

 

 

 

Mata ciliar e sua relação com a crise hídrica do Sistema Cantareira

 

Para aprofundar um pouco mais na importância das matas ciliares propomos uma reflexão que envolve o momento delicado vivido na região sudeste de São Paulo – a crise hídrica. Descartando as questões políticas que envolvem esse polêmico assunto, existe um ainda pouco explorado – a situação das florestas que “protegem” os cursos d´água que compõem esse que é um dos maiores complexos de abastecimento do mundo.

 

Diagnósticos do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, com imagens de satélite de alta resolução, mostram que cerca de 60% das áreas que deveriam, por lei, ter floresta nativa da Mata Atlântica (Áreas de Proteção Permanente), estão sendo utilizadas de maneira inadequada. Cerca de 50% estão ocupadas por pasto degradado e 11% por eucalipto. Desta forma, as condições ecológicas necessárias para a produção e manutenção dos recursos hídricos ficam reduzidas e problemas como erosão e assoreamento são cada vez mais graves.

 

Para se ter uma ideia da dimensão da situação, entre os anos de 2011 e 2014 registrou-se 25% menos chuva sobre a região do Cantareira em relação à média histórica. Mas o volume de água nos reservatórios caiu cerca de 120% neste mesmo período, o que mostra uma forte dependência da água da chuva sobre as represas para garantir a quantidade.  Por outro lado, o solo que deveria contribuir no processo de armazenamento de água nos lençóis freáticos fica comprometido pela falta de cobertura florestal, que é fundamental na infiltração mais lenta e limpa da água da chuva no solo.

 

 

Bons exemplos no Brasil e no mundo para conservação das matas ciliares e os recursos hídricos

 

Nova York (EUA) - Os desafios em torno da água não é “privilégio” dos paulistanos, a maior metrópole americana, Nova York, enfrentou sérios períodos de seca, nos últimos 100 anos. Aprendeu como solucionar o problema e hoje é referência no tema.

 

A cidade investiu em um sistema de abastecimento, adquirindo terrenos em áreas de mananciais, cerca de 170 quilômetros de distância do centro, e plantou árvores na beira de córregos e rios. A área preservada já equivale à metade do município do Rio de Janeiro.

Dessa forma Nova York percebeu que preservar as nascentes é mais inteligente e barato do que limpar a água – a cidade economizou cerca de US$ 10 bilhões em construção de estação de tratamento e filtragem da água, conservando as áreas “produtoras” de água com cobertura vegetal.

 

Extrema (MG) – Em 2005 o município mineiro se tornou referência no País por regulamentar a primeira iniciativa de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). São apoios financeiros aos proprietários rurais que se comprometem a cumprir metas de conservação ambiental.

 

O Projeto Conservador das Águas, como a iniciativa é chamada, propõe: aumento da cobertura vegetal em bacias hidrográfica; redução de sedimentação em propriedades rurais; difusão do conceito de manejo adequado do solo, da vegetação e da água; incentivar financeiramente os “guardiões da água”.

 

Como posso ajudar a conservar as matas ciliares e a água?

 

Além de repensar a forma como utilizamos a água, avaliando se ela deve ir para o ralo ou pode ser reaproveitada em alguma outra atividade, é possível contribuir na fonte. O IPÊ vai lançar em breve uma campanha para arrecadar recursos para o viveiro de mudas da Mata Atlântica, que são plantadas para a proteção e produção da água.

 

www.catarse.me/viveirovivo

 

 

 

Fontes: IPÊ – Instituo de Pesquisas Ecológicas, Organizações das Nações Unidas, Projeto Conservador das Águas, Secretaria do Meio Ambiente e Recurso Hídricos (Paraná).


Matas ciliares e sua necessidade para conservar os recursos hídricos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>